Na imagem u homem segura uma prancheta em frente a um carro para ilustrar o texto aprenda a declarar carro no imposto de renda com estas respostas

Aprenda como declarar carro no imposto de renda com 5 respostas às perguntas frequentes

Consuma estas informações importantes e descubra como declarar carro no imposto de renda com muita facilidade.

O período de preencher e enviar para o Leão a sua Declaração Anual do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2021 chegou. E mesmo que você conte com a ajuda de um profissional contador, algumas dúvidas costumam tomar seus lugares e o jeito é saná-las. 

Por aqui, descobrimos que uma das perguntas mais frequentes diz respeito a como declarar carro no imposto de renda. E claro, já era de se esperar porque, não coincidentemente, ela também é a mais técnica e nem todos dominam como inserir informações na plataforma disponibilizada pela Receita Federal.

No entanto, acima de responder essa questão, fomos além. Para produzir este conteúdo, procuramos saber entre nossos clientes aquilo que mais os aflige, quando pensam neste momento do ano. Confira abaixo o resultado dessa pesquisa e as respostas para cada questionamento.

Devo declarar meu carro no imposto de renda?

DEPENDE! 

Ficaremos no âmbito do “você pode”, caso o somatório de seus bens móveis e imóveis não supere R$ 300 mil. Acima disso, “você é obrigado” a declarar, sob pena de cair na malha fina.

Essa é uma pergunta que nem todo mundo sabe responder e, com tantos caminhos na internet, o usuário costuma ficar confuso. Então, repasse a informação correta para todos aqueles que você entende que precisam dela.

Seguro de carro abate no Imposto de Renda?

Uma regra da Receita Federal é que nenhuma natureza de seguro pode ser abatida no IRPF. Infelizmente!

Nós sabemos bem o quão oneroso é o seguro de carro para o bolso dos brasileiros, especialmente em regiões mais violentas, e seria interessante poder contar com esse desconto. 

A explicação dos especialistas para isso é que por não ter nota fiscal, não há como fazer dedução.

Carro financiado entra no Imposto de Renda?

Sim. Naquela mesma situação do “você pode” e do “você deve”.

No momento em que você estiver preenchendo os dados, atente-se ao campo que solicita a “condição de compra”: As opções serão “à vista” ou “financiamento”. 

É importante frisar que, nesta situação, você precisa informar detalhes sobre a entrada paga somada às parcelas quitadas, 

Exemplo: 

Se você comprou o veículo em julho de 2020, somará o valor entregue no ato + o total pago até dezembro. Se o carro foi comprado em 2019, o valor da entrada e das parcelas pagas naquele ano não entram em sua declaração.

É importante colocar a informação correta, para não gerar desconfiança e um consequente problema com o Leão.

E se o carro foi roubado?

Você informará a ocorrência à Receita e, se for o caso, o valor que recebeu junto com o CNPJ da seguradora. Caso o montante indenizado tenha sido mais alto do que o valor pago pelo veículo, você também precisará informar essa diferença.

Em caso de perda total, será que o carro entra no IRPF?

A informação é a seguinte: tudo o que orientamos acima é válido em casos nos quais os veículos sofreram perda total.

Por fim, como declarar venda de carro no Imposto de Renda?

Carros geralmente desvalorizam, então dificilmente você terá que pagar algum tipo de imposto quando realizar a venda do seu veículo. Isso vale apenas para situações nas quais você obtiver algum tipo de lucro sobre o bem.

No entanto, de qualquer forma, você precisa declarar que seu carro foi vendido, para justificar a entrada de dinheiro em sua conta bancária, por exemplo. Inclusive, o mesmo se aplica para as situações nas quais ele foi utilizado como entrada para aquisição de outro (troca).

Então, quando necessário, você informará à Receita Federal inserindo dia da venda, dados do comprador (Nome completo, CPF, RG, CNH) e todas as informações do veículo (Renavam, placa, modelo, marca, data de fabricação).  

Mini tutorial sobre como declarar carro no Imposto de Renda

Abra o programa da Receita Federal do ano de exercício e deixe este passo a passo na tela ao lado:

  1. Vá até a aba “Bens e Direitos”;
  2. Como, no seu caso você está declarando um veículo automotor terrestre, o código a ser digitado é o 21;
  3. Em “Localização” digite o número 105, referente ao Brasil;
  4. Desde 2019 é obrigatória a informação de Renavam. Adicione-a também!;
  5. No próximo item coloque marca, modelo, ano de fabricação e a placa do veículo;
  6. Diga também a modalidade na qual ele foi adquirido: à vista ou através de financiamento (nesse caso, o nome da loja ou da concessionária deve ser descrito);
  7. Na lacuna “Situação em 31/12”, é primordial ter atenção redobrada, porque você precisa inserir mais de um dado: 
  • O primeiro deles é sobre o penúltimo ano: se o carro foi adquirido à vista, informe o valor da tabela Fipe daquele ano. Se a prazo, diga o quanto pagou até o final daquele ano (entrada + parcelas). Caso não tenha adquirido o carro nesta situação, desconsidere;
  • O segundo é sobre o último ano: coloque o quanto foi pago no período.
  1. Atente-se às situações especiais que colocamos acima, e siga os procedimentos necessários;
  2. Caso você fique em dúvida sobre qualquer informação que está adicionando, procure um contador para lhe auxiliar;
  1. Repita o procedimento para todos os bens, inclusive nos casos de roubo, perda total e venda.

_

Esperamos ter sanado as suas dúvidas, assim como respondemos com imensa satisfação a todos os nossos clientes. 

Caso algo ainda não tenha sido esclarecido, recomendamos fortemente que você busque um profissional. Antes contar com um serviço de qualidade, do que ter de dar explicações ao Leão, concorda?

Agora, cá entre nós: que tal declarar um HB20 Nova Geração ou um Creta no IRPF do ano que vem? Venha fazer um test drive na Geração Hyundai e sinta todo o conforto e a tecnologia dessas duas super máquinas.

Deixe um comentário!

comentários